Comentários

(15)
Umberto Tadeu Fabbrini, Caixa de Banco
Umberto Tadeu Fabbrini
Comentário · há 3 anos
Naturalmente ele deve acreditar que só ele pode ter direitos e privilégios garantidos, às custas de governantes corruptos e empresas corruptas que estão preocupados como continuar pagando os altos salários e privilégios a tanta gente que nada produz e só se usurpa do poder para assaltar o povo. Em qualquer país que tívesse tido direito à educação como se deve, o povo seria politizado e não permitiria tanta injustiça. Viveríamos num país no qual as coisas funcionariam, as pessoas não seriam banalmente mortas, seja por delinquentes assassinos, seja por falta de atendimento médico, seja por falta de recursos pra comprar remédios, seja por negligencia nas esferas públicas na administração do sistema de saúde, dos transportes, das redes viárias, das estradas que cortam este imenso território que é o Brasil, não haveria crianças vestindo somente a pele sobre os ossos estendo as mãos nos faróis de trânsito, todas as crianças estariam nas escolas aprendendo, criando coisas novas, se formatando em futuros empreendedores (não empresários, pois este nome me dá calafrios) delineando um mundo novo mais eficiente para se viver, para preservar e respeitar o meio ambiente, as pessoas, os animais, enfim, um mundo melhor em contínuo e ininterrupto aperfeiçoamento tanto das pessoas como das coisas e dos processos como todas as coisas são feitas, produzidas ou transformadas. Teriam menos vagas para policiais, seguranças, vigilantes, e mais vagas para cientistas, engenheiros, médicos, arquitetos, sociólogos, e todos ramos que explorem o conhecimento aliados à IA inteligência artificial no desenvolvimento e aperfeiçoamento de nosso frágil, pequeno e efêmero mundo. Bruno e Flávio, me desculpem mas vossa é muito antiquada e primitiva para o momento que vivemos. Entendo que a sobrevivência é o primeiro passo para vida, mas há que se manter a lucidez, porque o comunismo há muito já se mostrou ineficaz, ineficiente, e impotente para dar sustentabilidade às soluções por lá encontradas. Portanto é uma carta fora do baralho. Como Cândido bem expôs a vida em sociedade é uma troca, que pode ser organizada de múltiplas formas, mas que hoje vivemos na forma intitulada de capitalismo. Capitalismo este que está resistente ainda, mas pouco a pouco, assim como a lei da oferta e da procura, vai se ajustando conforme a demanda ou agência desta. Finalizando, o que não se pode admitir é que uma pequena parcela da população viva como reias e rainhas e que a sua grande maioria, a massa que em sua força motriz funciona por trinta e cinco a cinquenta anos produzindo riquezas e benfeitorias para este país, e que nada tem de volta. No final da estrada, como se diz a luz no fim do túnel é o trem que vêm ao seu encontro.
Umberto Tadeu Fabbrini, Caixa de Banco
Umberto Tadeu Fabbrini
Comentário · há 4 anos
Quanto ganha um Juiz em início de carreira? R$20 mil ?
Pois é, eu acho isso um absurdo agora vão ter um custo de 20 mil/cada para que eles aprendam como tratar as pessoas ? Simplesmente eu acho isso um absurdo. Impossível reproduzir a similaridade de um/uma caixa de supermercado que ganha +- R$1.200,00/mês, e têm milhões de problemas na vida, com os pais, ou com os filhos, ou com o marido/mulher, enfim, ou até mesmo tudo isso junto, mais o aluguel, a conta da farmácia, do supermercado, água, luz (que nunca para de aumentar), etc., etc., etc., ... Façam o seguinte, continuem com o projeto em questão, mas com uma modificação: Enquanto eles estiverem no estágio de gente" que seu salário seja o mesmo da pessoa pela qual ira fazer se passar, assim se o juiz ficar no lugar de um caixa de mercado que receba o salário deste pelo período em que lá estiver, e que a diferença seja doada aos caixas do mercado envolvido no projeto, e assim respectivamente para cada função que venham a se candidatarem a residentes da vida real. Ainda que a proposta seja válida com a modificação por mim sugerida, a educação e a maneira de como se tratar as pessoas vêm de berço. Uma pessoa que não é cordata, ainda mais numa função que confere um certo poder, não pode exercer a profissão sem que preencha este requisito. Portanto, além de passar no concurso, pois terá um emprego garantido e uma renda vitalícia, deveria ter que passar por uma banca examinadora (tipo OAB) apara avaliar se o indivíduo poderia assumir o cargo ou deveria antes de assumir passar por um período de estágio/adaptação onde o mesmo aprenderia a forma de como tratar as pessoas. Enfim, teria de ser submetido a um curso de formação por +- 90 dias, com um salário base inferior ao salário dos aptos a ocuparem os cargos. Simples assim.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros perfis como Umberto Tadeu

Carregando

Umberto Tadeu Fabbrini

Entrar em contato